Vencedor da edição 2018: Humberto Pio

Minibiografia

Humberto Pio é mineiro, nascido em Mantena, nas Minas Gerais, no ano de 1972. Desde menino desenha e escreve. Adulto, mudou-se para a cidade de São Paulo e se fez arquiteto, sem abandonar o poeta. Em 2006, criou o blog Ruminessências, pasto da memória que forneceu textos para a antologia Transitivos (Off Produções Culturais, 2011), apoiada pelo Proac-SP. Em 2012 publicou com amigos o fotolivro Samba Mínimo, Extra Luxo Super (edição do autor), que documenta a turnê de quatro anos do espetáculo Samba Mínimo, da cantora Juliana Amaral. Coágulo (Editora Reformatório, 2019), vencedor do Prêmio Maraã de Poesia 2018, é seu primeiro livro solo.

Sinopse

Coágulo, vencedor do Prêmio Maraã de Poesia 2018, é o primeiro livro solo de Humberto Pio. A publicação reúne 72 poemas escritos ao longo de 27 anos, que segundo o autor, constituem a manifestação de um si mesmo transpessoal, signo de resistência. “Arquiteto safo, o autor versa angulando emoções”, aponta o crítico Pedro Marques na orelha do livro. “A poesia é seu edifício de tempos em ruínas. É a frincha entre ocorrência e ocorrido. O poeta lavra um Boletim de Ocorrência do que acomete o humano, os mesmos sentimentos para acidentes outros. A poesia do tempo em transe.”

3 poemas de Coágulo

Na roda da diáspora

 

quando o pior se avizinha

já que vazam os vizinhos

inicie uma nova cruzada

 

bote o ebó na encruzilhada

principie uma grande zoada

faça a festa na fresta, azeitada

 

trampe, tempere os tempos

ouça o barulho dos ventos

empilhe pedras nos troncos

promova a fusão nos encontros

 

cante uns pontos no quintal

escreva um poema ritual

entre em, transe, levante

neste exato instante encante!

 

 

A inveja do poeta

 

haja madeirite:

pra construir

no concreto,

o projeto

do sulfite.

 

 

Sem a tua companhia

 

sistema dela: a manhã a inventar campainhas

para visitas que necessariamente não virão